ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Rastreio visual caseiro a crianças

Nem sempre é fácil os pais detetarem problemas de visão nos seus filhos. Na maioria dos casos, é só na escola, quando começam a ter de ver o quadro que o professor se apercebe de algum problema. Muitas vezes, o estado agravou-se ao longo do tempo e depois cresce a culpa materna (paterna) de como ninguém se apercebeu em casa...
Recomenda-se que, não detetando nenhum problema antes, a primeira consulta num oftalmologista seja por volta dos 3 anos. Contudo, é possível, através de brincadeiras fazermos o nosso (enquanto pais) rastreio visual em casa.
Em pequenas perguntas e gestos podemo-nos aperceber da visão conjunta (dois olhos). Chamar a atenção para um avião que rasga os céus, um passarinho num cimo de uma árvore, uma flor mais ao longe. Aparentemente tudo pode parecer bem porque, em alguns casos, um olho está a compensar a falta de visão do outro. É aqui que entra a segunda parte do rastreio visual.
Para crianças com 1, 2 ou 3 anos, pode-se brincar aos piratas. Se houver irmãos é melhor pois o envolvimento pode ser mais fácil com crianças mais pequenas a imitarem os mais velhos.
Num dia, tapa-se uma das vistas, vai-se à procura do tesouro. Tenta-se aperceber da visão de pequenos objetos no fim da sala. Uma brincadeira para demorar alguns minutos, tentar perceber se a criança está confortável com aquela visão. Noutro dia ou no seguinte, tapa-se a outra vista. É provável que, se houver problemas, a criança faça alguma resistência a usar aquele olho. Repetem-se as brincadeiras, a busca, o tesouro e tenta-se perceber o alcance da vista.
Esta é uma forma precoce de nós, pais, testarmos a visão dos nossos filhos. O que parece óbvio (ter ou não problemas de visão) não é fácil de perceber em tenra idade, ou seja, antes da entrada no meio escolar.
Tratar precocemente pode evitar problemas mais graves de futuro.
Fica a dica de quem não é da área, de quem é apenas uma mãe que, como qualquer mãe, tem sempre uma quota parte de culpa materna em tudo o que se refere aos seus filhos. Faz parte do nosso ADN cultural e religioso, acho.

Esta atenção não invalida que o primeiro rastreio visual profissional seja feito por volta dos 3 anos.

P.S. O estarem constantemente colados à tv é um outro problema qualquer ou uma caraterística infantil ou tínhamos 95% das crianças com problemas visuais.

Sem comentários: