ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

sábado, 31 de janeiro de 2015

Ginástica

Eu também preciso mas falo da ginástica da Alice.
Estive à procura de uma atividade para a Alice. Sendo ela ainda pequena as hipóteses são poucas. Retomaremos a natação em Abril, aos sábados, e temos agora ginástica às quartas e sextas.
Fomos experimentar uma aula. Apesar de estar em casa connosco entrou no ginásio confiante perante meninas e adultas que nunca tinha visto e a primeira coisa que diz é: Quem é a professora aqui? (Não sei a quem sai?)
Fez a aula e adorou. Já fizemos mais duas e já tive o feedback da professora.
Disse-me que tinha alguma dificuldade em cumprir as regras da aula mas que era esperado pois o grupo começou em Setembro e já tem tudo muito interiorizado. Faz muitas perguntas: Se a professora manda ficarem em fila ela dispara logo: Por que tenho que ficar em fila? Se a professora diz que vão jogar com o arco ela perguntou: Como se chama o jogo do arco? Se a professora diz que não podem pisar na madeira lá vem outro porquê.
Ela e a Nina (sim, a amiga foi experimentar com ela e agora andam as duas) são as mais novas da sala, as restantes têm 4 ou estão a fazer os 4. Ambas são criadas em casa e a iniciar no 2° período. Assim sendo, circulam um pouco para a esquerda quando o grupo vai para a direita, correm mais livres e riem mais quando é suposto cumprirem as regras do grupo. Vamos ver como correm as aulas. Que elas adoram e se divertem é garantido. Garantido também é a qualidade das professoras. O que ainda não é garantido é que fiquem até ao final do ano. Continuam à experiência e sob avaliação. Estou a fazer figas pois acho que estas aulas só lhe fazem bem e a mim também (depois partilho o meu benefício).



Tira-me do sério...

... mas é o meu amor mais crescido.


quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Dia de amigas

Hoje é dia de amigas nos Açores. Os restaurantes enchem-se de mulheres, há strips de homens besuntados de óleo (talvez de amêndoas doces), há gritos, euforias e vale tudo só porque é dia de amigas como se houvesse uma amnistia presidencial, tal como muitos acham que existe nas despedidas de solteiros. Para mim o que é feito nesses dias tem a mesma validade que nos outros e com a agravante que tem o triplo das testemunhas e ainda máquinas fotográficas sempre aos cliques.

O mais importante é que, apesar de não alinhar nessas comemorações, sou abençoada por algumas amigas que tornam a minha vida mais feliz. Não ando numa fase em que seja uma amiga muito disponível para jantares, saídas ou cafés mas estou sempre pronta para ouvir e se não posso fazer visitas posso receber todas. Aqui faço os jantares que não posso ir e recebo para os lanches que não vou.
A todas elas, e às poucas que aqui vêm, adoro-vos!

O peso do António

É sabido que ando preocupada com o peso, ou melhor, evolução do peso do António.
 Há poucas semanas fiquei muito apreensiva com o pouco aumento que ele tinha. Talvez a maioria recorresse ao suplemento a par do leite materno mas essa solução seria para mim o último recurso pois acho que é o primeiro passo para o abandono gradual da mama. Tal não faz parte dos meus planos a curto prazo.
Assim sendo, optei por levar o António à mama em intervalos mais curtos. Dormiu colado a mim umas noites para que mamasse mais vezes mesmo à noite.
Resultado: em 6 dias aumentou cerca de 270gr, ou seja, 44gr ao dia.
Já me sinto mais descansada mas não totalmente relaxada. Volto a pesar em 15 dias.

Futuras mães que desejam amamentar: Não há leites fracos e fora algumas exceções todas as mulheres produzem leite. Se o bebé não aumenta o suficiente pode estar a fazer mal a pega, pode estar a ir poucas vezes à mama ou a retirar pouco. Não devemos desistir à primeira dificuldade. É fundamental procurar ajuda nos profissionais de saúde (alguns, outros espetam logo com os suplementos) ou linha de apoio à amamentação.
Não sou fundamentalista e a decisão cabe a cada mulher, só me entristece quando a desistência passa apenas por falta de informação ou apoio.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

2 meses já lá vão...



Descanso

Quando se tem mais de um filho o descanso toma outros contornos. Para mim descanso é ficar em casa a cuidar do mais novo enquanto pai e mais velha saíram antes mesmo de saltarmos da cama.
O silêncio que se ouve cá em casa é tão relaxante...

Toda a sua mãe

Passear enche-nos a alma.






segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Rabinho assado

Tiro e queda!


Botins

Já são meus. O Pai Natal não se esqueceu de mim...



ZARA - 49,95€

Fraldas

Quando tive a Alice só usei Dodot Sensitive e depois a linha azul e roxa da Dodot.
Quando o António nasceu, o segundo, pensei que talvez fosse de experimentar outras marcas mais económicas. Fui para a Chicco, depois marca Continente e até uma marca que encontrei na Casa Cheia.
Com o segundo filho continuamos a querer o melhor para eles mas facilitamos mais e pensamos menos. Tentei essas marcas todas. Umas vezes o António ficou com o rabinho mais vermelho. Ia alternando entre Dodot Sensitive e as outras marcas e volta e meia lá estava a acusar a vermelhidão.
Pensei: Basta! Não quero mais saber... Dodot e acabou! E as toalhitas igualmente da Sensitive.
Nunca mais tivemos nenhum rosado e digo-vos que nem sempre coloco o creme. Durante a noite nunca ponho. E durante o dia, às vezes tenho o creme na mão mas  quando dou por mim já coloquei a fralda e o creme ficou na mão.
Assim sendo, a minha recomendação é para as mais caras mas também as melhores: DODOT.


domingo, 25 de janeiro de 2015

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A culpa é lixada

Nesta fase dos 3 anos, das birras e bate pés nunca me senti tão confusa e insegura na minha forma de educar a Alice. Há momentos em que acho que estou a errar... redondamente...
Sinto-me tão responsável pelo bom ou mau comportamento dela e se tem sido mais mau que bom sinto que sou eu que estou a errar nas estratégias. A culpa é lixada mesmo que possa ser injustificada.

Que nervos!

Sempre que temos compromissos a Alice dorme a sesta até ao infinito...
Aula de ginástica daqui a 20 minutos e eu que só a acordei na vida meia dúzia de vezes e todas para apanhar um avião. Para mais nada a acordei. Luxos de quem não tem de sair de casa todos os dias...
Acordo, não acordo?!

Noites animadas

Vou para a cama todos os dias entre a meia-noite e a uma, já depois de ter dormitado no sofá. Dou mama ao António, troco fralda e, geralmente, meus olhos fecham sem dar conta. Pestanejo, abre um olho e vejo que já são 3h. António permanece a meu lado, já abanando a cabeça como aqueles cãozinhos que algumas pessoas usam nos carros. Mudo-me para lhe dar a outra mama (sempre deitada). Ele mama enquanto eu apalpo a fralda a tentar perceber se está muito cheia ou se aguenta mais 2 horas. Decido trocar. Troco fralda, começam os soluços e volto a dar mama para passar. São quase 4h da manhã... Fecho os olhos com ele a mamar. Ouço: Mãaaaeeeee.... e penso: Caramba, 2 meses e já diz tão bem mãe. Continuo de olhos fechados. Mãeeeeeeee.. Ai, isto é a Alice. Vejo as horas olhando para o despertador em cima da mesa de cabeceira. São 5 h da manhã. Levanto-me. Diz-me: O Donald caiu ao chão... Apanho-o e sinto vontade de o atirar à parede ou colá-lo com fita cola extra forte aos braços da Alice. Volto para a cama. António começa a torcer-se e a fazer força e a gemer. Dou-lhe a outra mama, saltando para o outro lado. São 6h da manhã... Depois de muita força faz cocó enquanto mama. Ouço: Mãeeeeee... Faço xiii para que António não faça barulho e finjo-me de morta. Mãeeeeee... (mais alto). Levanto-me. Quer fazer xixi. Ajudo-a, deito-a e volto ao quarto. Vou trocar a fralda e vejo que houve fuga de xixi para a roupa. Troco-o todo. Soluços. Mama novamente e já passa das 6h30. Adormeço com ele à mama até ouvir Mãeeeeeee... São quase 8h. O pai pega nela e leva-a para a sala. Dá-lhe o pequeno-almoço, brinca ou coloca desenhos animados e eu adormeço por mais 1h com o António novamente à mama.

Mais voltas, menos voltas as minhas noites são assim. Varia o número de fraldas trocadas consoante a minha energia. No minimo 1 troca, no máximo 4. A Alice tem uma ou outra noite que não acorda mas geralmente varia entre 1 e 3 vezes. Pode ser porque quer fazer xixi, já aconteceu porque queria um beijo às 3 h da manhã, para endireitar o cobertor ou perguntar pelo fofinho ( cão de peluche).

Quando se dá mama, o pai pouco pode fazer durante as noites. Se tenho que acordar para dar peito não vou acordar a outra pessoa para o colocar a arrotar (sei de casais que faziam assim) ou trocar a fralda. Assim, apenas um fica avariado do juízo e o outro permanece mais ou menos fresco da cabeça para que não haja esquecimentos de filhos em casa quando saímos para as compras.
Isto torna a amamentação menos aliciante que os suplementos. Além disso, os nossos filhos habituam-se a ver apenas a nossa cara durante as noites e a associá-la a alimento, conforto e segurança. Assim foi com a Alice até aos 9 meses e mesmo depois disso, quando já não havia mama é sempre Mãeeee que sai daquela boca durante a noite. Se vai o pai ela grita por mim...
Não sei, sinceramente, por quanto tempo amamentarei o António... não sei se aguentarei noites assim até aos 9 meses, como com a Alice. Depois melhorou mas, como se vê, ainda hoje com 3 anos feitos acorda durante a noite.
Bem... de uma coisa muito importante não me posso queixar: de noites perdidas por estarem doentes. Amén! Há coisa melhor?!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Sempre que possível...

... fazemos programas só as duas como era antes.

Isto não é bom sinal...

Hoje arranquei 2 cabelos brancos. Eles andam por aí...

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Da boca de educadoras

Continuo sem pressas de integrar a Alice no meio escolar e quando ouço determinados fatos ou acontecimentos, para não falar nas doenças menos vontade tenho de a enfiar numa sala com 20 crianças e 1 adulto. Em conversa com uma amiga ela contava-me que tinha recebido a avaliação do filho de 2 anos e meio. Dizia lá que o filho não tinha consciência do outro pois não gostava de partilhar.
Isto escrito por uma educadora formada e com experiência.
Pois bem, eu, mãe há muito pouco tempo (3anos), com experiência caseira e formação em apenas artigos e revistas de Pais e Filhos digo:
1. Na idade em questão os brinquedos são uma extensão das próprias crianças, logo, muito normal não quererem partilhar;
2. É por terem consciência do outro e que esse outro lhes pode levar os brinquedos que não partilham;
3. Os adultos esperam atitudes das crianças que nós como adultos não temos. Na verdade, nós adultos não gostamos nada de emprestar as nossas coisas;
4. Eu tinha logo perguntado à educadora se me emprestava o seu carro para dar uma voltinha. Isto porque o carro dela para ela tem tanta importância como o carrinho de brincar para uma criança. A dimensão é a mesma.
5. A partilha é muito treinada na creche onde convivem com outras crianças. Que atividades estarão a fazer para treinar essa caraterística?
6. Se não têm nada significativo para dizerem aos pais, digam apenas que está tudo bem. Ninguém espera relatórios aos 2 anos de idade.
7. Continuem a estudar mesmo depois de terminar o curso. As teorias de ontem às vezes já não servem hoje.


A mama e o peso do António

Desde a consulta dos 2 meses na pediatra que ando a reforçar as idas à mama. Aquelas 15gr deram-me a volta ao miolo e apesar de ele não dar sinais de andar desidratado ou a passar fome, fico com medo que as coisas possam estar a descambar...
Assim sendo, as noites têm sido de mamas ao léu com o António ao meu lado a servir-se a seu belo prazer. Ele tem passado a noite praticamente toda na minha cama..
Durante o dia tento que mame mais vezes também.
Hoje foi dia de vacinas e pesagem novamente. Aumentou cerca de 140gr desde sexta-feira.
Digo-vos que dar mama é o melhor em muitos sentidos, todos bem conhecidos mas a pressão sobre nós é constante. Sentimo-nos as únicas responsáveis pela saúde deles. A pergunta constante se bastamos ao seu crescimento saudável, se a produção de leite não está a diminuir, se as bocas adeptas do suplemento não terão razão, se a nossa alimentação menos cuidada terá influência no nosso bebé?
Segunda-feira temos nova pesagem. A médica e enfermeiras dizem que ele está a aumentar bem, está crescido e saudável mas preocupação de mãe nunca tem fim...

domingo, 18 de janeiro de 2015

As palavras feias

Geralmente é nas creches e escolas que os miúdos aprendem as palavras feias, os palavrões... A minha está um pouco imune desse mundo mas ontem veio-me com a conversa:
Alice: Mãe, o Ruca disse uma palavra feia, uma palavra muito feia.
Eu: Então que palavra feia foi essa?
Alice: Não quero dizer...
Imaginei que se ela ouviu no Ruca não devia ser nada muito grave. Quando fui deitá-la para a sesta ela diz-me:
Alice: Mãe, a palavra feia é estúpida. O Ruca chamou estúpida à Clementina e a Clementina ficou muito magoada.
Vou ter de começar a supervisionar os episódios do Ruca...

Ser mãe de dois é...

... contar uma história de dormir à mais velha enquanto alimento o mais novo à mama.

sábado, 17 de janeiro de 2015

Silêncio

Todos dormem e eu podia e devia aproveitar para fazer o mesmo mas não consigo. O que me apetecia mesmo era sair e dar um passeio comigo sem roteiro mas não posso levar para longe as minhas mamas, não vão elas ser precisas de um momento para o outro.
E por falar em mamas, há nova preocupação... a pediatra diz que não preciso preocupar-me mas enquanto não voltar a pesar o António não consigo ficar descansada...
A semana passada pesei-o no centro de saúde e tinha aumentado uma média de 25gr ao dia. Tudo bem... Ontem foi à pediatra e só aumentou 15gr NUMA SEMANA. Ainda estou meia abananada.. diz ela que as balanças são diferentes. Ele está com 5365gr e 59cm e eu sinto-me mais minúscula que isso...
Não consigo estar descansada...

3 anos acabados de fazer...

Espanto-me a cada dia que passa com o desenvolvimento da Alice. Estou longe de ter uma menina fora da normalidade mas o certo é que nos surpreende dia após dia.
Alice aos pulos na cama antes de dormir.
Eu: Alice, senta aqui que eu quero falar contigo.
Alice (continuando aos pulos): Fala mãe, eu ouço é com os ouvidos.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Saia da aniversariante

Não ficou muito contente e até tive que contar uma "mentirinha". Ela queria a cor-de-rosa. Disse-lhe que estava para lavar...



ZARA
Saldos - 9,90€

Séries

Ainda bem que existem as gravações. Desde que fui mãe que nunca mais vi nada em direto na televisão. Só apenas o que gravo... é a única forma de ainda ir acompanhando algumas séries.






O aniversário

Em casa com família e alguns amigos.

Bolo de caramelo com cobertura de chocolate feito pelo pai. 
Os bonecos encomendados fora. Ela queria a Galinha Pintadinha e depois já era a Porquinha Peppa. Ficaram ambos.




A confusão

Fingiam que dormiam
Para o ano há mais...

8 de Janeiro

Foi dia de passeio a 4. Pequeno-almoço em esplanada com vista para o mar, Baloiços. Bolo de iogurte feito pelo pai e filha. Castanhas assadas para o lanche que ela adora. Estreia de uma saia de tule cor-de-rosa, a sua cor preferida.






quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Ontem foi dia de reis...

... mas foi hoje que chegou uma saia de princesa.

Laredoute

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Tenho um defeito, bem... muitos

Aparentemente sou extrovertida e faladora mas, na verdade, sou calada e tímida no que diz respeito aos meus sentimentos. Engulo a seco os meus medos e angústias e não consigo dividi-las com ninguém. O silêncio toma conta de mim sempre que ando em sobressalto. Os discursos acontecem apenas na minha cabeça, nunca chegando a ter som que chegue ao ouvido de outro alguém. Sempre fui assim... Há alturas em que sou mais ruidosa e consigo deixar libertar mais as minhas preocupações, outras em que sou mais silenciosa que uma igreja em dia de semana.
Talvez sinta a falta de uma noite bem dormida, talvez seja só isso...

I'm cool



domingo, 4 de janeiro de 2015

Sabes que andas no teu limite quando...

... não sendo apologista dos castigos e das palmadas dás por ti a fazer um esforço mental acrescido para não largar as primeiras palmadas no rabo da mais velha.

E porque não o faço?
1. Não acredito que me fosse sentir melhor. Acho até que talvez chorasse depois dela.
2. Porque não bato em mais ninguém, mesmo quando um amigo me ofende, um colega me difama ou alguém me tira do sério. Porque resolver dessa forma só porque é um filho, ninguém vê ou censura?
3. Porque não quero ensinar à minha filha que a força física é uma forma aceitável de resolver problemas?
4. Porque eu quero que ela aja corretamente mesmo quando eu não estou por perto e não porque tem medo da palmada ou do castigo, ou seja, que aja corretamente mesmo quando não estiver ninguém a ver.
5. Porque conheço muitas crianças que são criadas à base da palmada e não as vejo a não repetirem os mesmos comportamentos, ou seja, não vejo que resultem.
6. Porque sempre acreditei que violência (sei que existem palmadas light mas o significado do ato é o mesmo) gera violência.
7. Porque, muitas vezes, o comportamento dos nossos filhos são a resposta ao nosso stress, falta de paciência, cansaço de todos, chamada de atenção, etc

Sim, acabei de deitar a mais velha que faz fitas até adormecer. Sim, pensei em sacudir-lhe o pó do rabo. Sim, mantive a calma e sei que sou eu que não estou a saber gerir os finais de noite. Sim, a minha paciência é mais escassa e ela sente isso e, por alguma razão, puxa a corda até ao limite...

Pela primeira vez...

... passou a meia-noite acordada connosco.



O melhor de 2014

Chegou mesmo no final do ano...


sábado, 3 de janeiro de 2015

O banho, ou melhor, a banheira

Quando a Alice nasceu comprei uma banheira na Prénatal com encosto de costas.
Quando o António nasceu apercebi-me que aquela banheira era muito grande para os primeiros tempos. Os agrafos na barriga e carregá-la com água fez-me lembrar como foi complicado nos primeiros tempos da Alice a hora do banho.
Pensei que a melhor solução era mesmo como na maternidade, uma pequena taça ou alguidar ou pana (como chamamos nos Açores). Seria fácil de transportar e fácil de colocar em cima da cama (local onde me sinto mais segura a dar banho nos primeiros 2 meses).
Assim foi e achei eu que tinha sido uma ideia luminosa. Para mim foi... um alguidar redondo pequeno no primeiro mês. Agora que está maior, adquiri um maior. Ainda acho muito cedo para a banheira.

Alguidar azul - 3,95€
O António aprovou e a mãe acha muito prático.

Esta é a que tenho da Prénatal.

Ainda tenho uma assim que era do meu sobrinho. 
Nem sei se cabe na banheira desta casa, Na anterior ficava excelente. Usei e abusei dela.



O adeus a 2014...

Foi em casa com pessoas  do coração

O comando é Meo

Pai a ver Quadratura do Círculo...
Alice: Pai, o comando?
Pai: O comando é meu.
Alice: Não, o comando é de todos!