ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Pergunta mais frequente

Agora que estou de licença a pergunta que mais faço é: "Que dia é hoje?"
A segunda mais feita é: "Que horas são?" (esta para controlar as idas à mama, mas sem resultados muito bons. Ela continua a mandar em mim).


Nataliya Piro: Little Women - Vanity Fair Italia by Esther Haase, November 2011

domingo, 29 de janeiro de 2012

Já me deixa ficar mal...

Sempre que alguém passa cá em casa para visitar e conhecer a Alice, ela dorme como um anjo durante toda a visita, mesmo que fiquem 2 horas a ver se ela acorda.
E eu que digo: "Ah a minha filha luta contra o sono. Só adormece à mama ou no embalo do pai ao fim de muito, muito tempo." 
E olham para mim e devem pensar: "Sim, sim, gostas de te queixar, isso é que é! Tens um anjo em casa e andas cheia de "frescura" (esta palavra com sotaque brasileiro)".
A modos que tem sido assim. Vêm para a conhecer, trazem uma prendinha, espreitam de relance ela no berço, tomam um chá com a mãe, conversam e dizem constantemente: "Ah, agora deve estar a acordar!" Acabam por ir embora e ela a dormir.
Ai filha... vou passar a ter gente em casa dia e noite a ver se te portas sempre assim!

Michelle Williams by Brigitte Lacombe

sábado, 28 de janeiro de 2012

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Deliciada com tanta doçura

Consulta na pediatra

Fomos à nossa consulta do primeiro mês. A escolha recaiu sobre uma pediatra especializada em desenvolvimento. Penso que estará mais atenta a certas questões que um qualquer outro pediatra.
Colocámos as nossas dúvidas e receios e, sem pressas e com muita simpatia, tivemos todas as respostas, ou, pelo menos, tivemos um ponto de vista mais clínico que a opinião das avós e tias.
Se têm manias e manhas tão novos? A médica disse que não. É impossível tão cedo terem vícios ou perceberem que para uma determinada causa há um específico efeito.
Disse-nos que nesta idade eles precisam de muito mimo, muito colo, muito embalo. Que é normal a aversão ao berço em relação ao colo. Que gostam de se sentir aconchegados. Que quando choram não devemos deixá-los chorar por muito tempo para que percebam que não precisam chorar muito para que alguém os socorra.
Aconselhou-nos a colocar algo no fundo do berço a tocar os pés do bebé. Disse que eles gostam de ter os pés a tocar em algo pois foram 9 meses enrolados no útero. Já coloquei uma mantinha a fazer um rolo a ver se se sente mais segura. Dormir sempre com a barriga para cima (já o fazíamos) e com o colchão inclinado (já tínhamos colocado um cobertor dobrado e manta entre o berço e o colchão para conseguir a inclinação dos berços na maternidade) pelo menos no primeiro mês.
Em relação à mama tenho que fazê-la perceber que a mama é apenas para se alimentar. Deixa-la no máximo 30 minutos e só voltar a dar passadas 2 horas do início da última vez que mamou, caso peça. Disse para me fingir de morta caso ela não peça passado esse tempo, que voltará a pedir quando tiver fome :)
Durante a noite já estamos mais regulares, levando quase 4 horas para voltar a comer. Durante o dia é que estamos com mais problemas. Parece que a situação das primeiras semanas se inverteu. Menos mal pois assim o pai já não se levanta às tantas da noite para a embalar no meio do choro e luta contra o sono. Ela tem ido à mama e depois adormece.
De resto, tudo bem com a princesa. Cresce a olhos vistos e está bem de saúde.

Ter o pai em casa...

... é ouvir a Alice a chorar e não ir a correr. Ele vai sempre antes de mim...

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Sentimento

Agora que tenho a Alice, sinto ainda mais a falta de B. todas as noites que sai para trabalhar. Fico a contar os minutos para ele voltar... antes ficava esticada no sofá a ver séries ou saía para visitar amigos, família, ir às compras, etc. Agora, só quero que estejamos os 3 em casa. Sinto-me mais segura com ele por perto.

Evan Rachel Wood

Para os fãs de Downton Abbey

Allen Leech, Hugh Bonneville, Lesley Nicol, Laura CarmichaelSophie McShera, Brendan Coyle and Rob James-Collier in the press room for the National Television Awards after Downton Abbey won Best Drama tonight in London

Dia de amigos

To my very best friend, Pboy, todo ele venenoso! Miss you...


Fiz um pacotinho com o outfit para te enviar. Vais ficar um show :)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Mais uma mãe

A querida mamã cris teve o seu Gonçalo no dia 12 de Janeiro.
Por momentos chegámos a pensar que nos cruzaríamos na maternidade... foi por pouco. Eu saí a 11 e ela entrou a 12.
Desejamos toda a felicidade do mundo e por aqui vamos acompanhando essa nova aventura.



terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Red Shoes

A maior invenção a seguir à epidural

Senhoras, hoje consegui adormecê-la no berço, segurando-lhe a chucha na boca e estando ao seu lado meia-hora.
Passado uns 20 minutos chorou. Lá fui, voltei a colocar-lhe a chucha na boca e falei baixinho com ela acalmando-lhe.
Se fosse ontem tinha-lhe tirado do berço, embalado e colocado à mama pois mal chora abre logo a boca à procura dela.
Mas não, hoje não houve mama porque chorava. Hoje houve chucha e assim estamos desde as 20h.
Até tenho medo de falar muito nisto... chiu... faz de conta que não contei nada!

Esqueçam o que eu disse sobre a chucha...

O pai conseguiu a proeza de a silenciar.  

"Manias" ou "Manhas"

Será correcto dizer que um bebé com poucos dias já tem manias ou manhas?
Se nada do que agora acontece com eles acontecia no útero como poderão ter eles vícios com tão pouco tempo de vida?
Eu não sei e espero esclarecer algumas dúvidas esta semana na primeira consulta com a pediatra.
Se a Alice tem ou não manhas, eu não sei mas se as tiver bem podem ser as seguintes:
1- Gosta de adormecer na mama ou no colo do pai;
2- Dorme bem durante o dia e à noite anda irrequieta, agitada a lutar contra o sono;
3- 60% das vezes que vai para o berço depois de ter adormecido numa das hipóteses do ponto 1, acorda e começa novamente no berreiro;
4- Recusa chucha convictamente.

Alguém tem alguma fórmula mágica, uma receita milagrosa para que ela adormeça sozinha no berço, para que eu não sucumba ao choro dela, para que as "manias" ou "manhas" que existem ou não, possam mesmo não existir?

Sinceramente, eu não sei se o que faço é correcto ou não...

Anna Paquin

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Dia D - Última parte

Com a epidural às 7h da tarde, nada seria como antes. As contracções de 5 em 5 minutos que aconteciam desde as 8h da manhã continuaram mas nem dava por isso.
Aproveitei para colocar a conversa em dia com a minha mãe. Se antes ela falava e eu tinha que fazer as respirações pouco a pouco sem poder responder, agora mantínhamos uma conversa fluída sem interrupções. Bem, na verdade, com muitas interrupções, os benditos toques. Ora vinha o médico, ora a enfermeira, ora outra enfermeira. Toca um, toca o outro e de todas as vezes perguntava o médico à enfermeira: "Já fez o toque?" E ela: "Agora não. Fiz há bocado." E ele: "Venha ver. Quero a sua opinião!" Ora mais toque e vira, roda, mais outro toque e até julgo ter visto a empregada de limpeza e o segurança do hospital em fila de espera para o toque.
Se me doeram? Nada! Nem sem epidural, nem com epidural.
A dilatação avançava mais rápido. A rotura das águas foi feita pela enfermeira e uma enorme pinça. Tudo caminhava para um parto normal, mais hora menos hora.
Cheguei aos 9 cm de dilatação e eu estava feliz, relaxada e a ver um fim (novo princípio) próximo.
À meia-noite voltou o médico. Ele era de poucas palavras e sempre sério mas parecia competente. É um médico de Lisboa que faz alguns fins-de-semanas no nosso hospital para aliviar o excesso de nascimentos que acontecem nesta bela ilha. Não o conhecia mas o meu médico falou muito bem dele.
Novo toque e o médico diz-me: "Vamos ter que tirar essa menina."
E eu: "Oh que bom!" Pensando eu que tinha chegado à altura de começar a fazer força.
Ele: "Será cesariana!"
As lágrimas cobriram-me o rosto em 2 segundos. Queria saber porquê.
Nesta altura a minha mãe já tinha ido para casa pois B. tinha saído do trabalho e entrou no quarto na altura que o médico dava-me a notícia.
Segundo ele a Alice estava encravada no canal. Não conseguia descer. Achava ele que ela estava a tentar subir novamente e que tinha começado a entrar em sofrimento.
Na mesma hora levaram-me para o bloco de partos e eu comecei a tremer o queixo sem conseguir controlar.
Toda a equipa foi fantástica, tentando conversar comigo para me distrair.
Continuaram com a epidural e aí começou algo que não me traz muito boas recordações apesar de ter sido uma experiência positiva.
Não tive dores mas sente-se os cortes, o aspirador, a força que o médico fez em cima da minha barriga para a fazer descer. Nessa altura não me controlei e gritei. Pareciam que as minhas costelas se iam partir. Umas 5 ou 6 pressões sobre a barriga e sinto "arrancarem" (a parte mais "violenta" para mim) a Nisca de mim.
Passado uns segundos ouço o seu grito estridente que nunca mais parou até irmos as duas para a maternidade. Foi mais de uma hora a exercitar aqueles pulmões. Ouvi-la foi uma sensação de alívio... pensei logo: "Está tudo bem..."
O restante tempo foi a aspirar e a cozer e já só pensava em poder ter a minha princesa nos meus braços.
Levaram-a a conhecer o pai (sendo cesariana não o deixaram entrar) e depois colocaram-a junto a mim.
Ela continuava a chorar. Só quando descemos à maternidade, adormeceu junto ao meu coração dormindo até de manhã.
A minha linda menina tinha nascido e nada seria como dantes...

domingo, 22 de janeiro de 2012

Para começar a semana em beleza

Calçado confortável para levar a princesa a passear.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Horários da Nisca

Do dia faz noite! Da noite faz dia! E eu não consigo dormir durante o dia, a modos que durante a noite isto tem sido complicado...

Evan Rachel Wood - BlackBook by Andrew MacPherson, 2009

Licença de parentalidade

Estava na dúvida se ficaria de licença 4 ou 5 meses. Primeiro pensei nos 5, depois nos 4, voltei para os 5, o melhor é 4, fico 5... decidi finalmente nos 4 meses.
A principal razão foi o subsídio a 100%, ao invés de subsídio a 83% se optasse pelos 5 para mim e 1 para o pai.
Assim sendo, 8 de Maio estou de regresso ao trabalho. Já sinto que passará num instante, que o mês de Janeiro está quase no fim e daqui a Maio será num abrir e fechar de olhos.
Após a licença de ambos temos a sorte de conseguirmos que a minha princesa fique em casa. Eu e o pai temos horários que nos possibilitará ficar com ela. Terei redução de horário de 2 horas diárias para amamentação, conseguindo estar em casa pelas 15h30. Até a essa hora ficará aos cuidados do seu querido pai.
Se tudo correr bem, pensamos colocá-la na creche apenas com uns 2 anos. Até lá, no seu lar, rodeada de todo o amor possível...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Confissão

Serei a única mãe do mundo que vai, de vez em quando, espreitar ao berço a ver se a bebé respira?
Acredito que seja uma fase (curta)...


Rooney Mara photographed by Mario Sorrenti for W, February 2012

Da minha mãe...

E já foi estreada. Acho muito cara para o tempo que darei uso, contudo, que facilita a hora da amamentação, ora se facilita. Muito mais cómodo tanto para mim como para a Alice.
E pensando melhor, facilita tanto que foi por causa deste conforto todo que ela bebeu mais do que devia e depois deitou fora parte. Nunca antes tinha acontecido...

Dos meus colegas de trabalho

Uma confortável cadeira que até faz massagens. Tem o selo de aprovação da Alice :)

"Então, como é ser mãe?"

Já me fizeram esta pergunta várias vezes desde que a Alice nasceu. Eu fico sem saber o que responder...
Não sei definir o sentimento e acho que não nos sentimos completamente mães a primeira vez que ouvimos o seu choro à nascença, nem quando a temos nos nossos braços, nem quando já passaram uns dias e a temos em casa.
Acho que ser mãe é um processo longo no tempo. Não aparece do dia para a noite ligado a apenas um acontecimento isolado. É algo que se constrói no dia-a-dia, que se modifica ao longo do tempo, moldando-nos a cada acontecimento, a cada sorriso ou choro do nosso filho.
Uma coisa já sinto: é uma preocupação constante pelo bem-estar de alguém de faz parte de nós e que depende totalmente de nós.
Hoje, pela primeira vez, a Alice bolsou nos meus braços, jorrando o leite em excesso que tinha no estômago. No mesmo instante as lágrimas cobriram-me o rosto como se a minha filha estivesse a sofrer...
Ser mãe hoje não é o mesmo que ser mãe no dia de ontem ou de anteontem. Ser mãe, para mim, ainda está por definir, por sentir e por aprender...

Saldos

Eu gosto tanto de saldos... tanto... tanto...
Já com corpo para aproveitar mas sem carteira para acompanhar! Será que dá para trocar peças de roupa por leite materno?

casaco 29,99€ mas pode vir o naipe completo
ZARA

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

O peso da princesa

Hoje fomos pesar a nossa princesa. Algum receio de mãe que o meu leite não fosse suficiente para sustentar aquele corpinho danone...
Ela devia ter engordado no mínimo 20 gr por dia para que se comprovasse que não andava a passar fome. Foi para a balança e tinha 4300 gr, ou seja, uma média de 33 gr por dia.
Estou mais descansada.
Agora só precisamos educá-la um pouco melhor a não passar tanto tempo à mama, usando-a para comer, para dormir, para chuchar, para confortar...
Estamos no bom caminho, acho :)

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Look Book #56

Sem a minha Nisca, sem retoques de photoshop e sem a cinta/faixa que me acompanha para todo o lado desde que me levanto à hora que me deito para dormir. Tem sido uma óptima ajuda para colocar tudo no sítio de origem...




segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

É uma princesa

Mais uma mãe na blogosfera

Acabei de receber a notícia que a nossa querida Kaipiroska está grávida!
Vou adorar acompanhar esta fase tão maravilhosa que passei há tão pouco tempo. E até posso dizer que ainda só passaram 9 dias e já tenho saudades de andar com ela na minha barriga para todo o lado...

Os futuros pais...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Peso Actual

Dei entrada no hospital com 71 kg. Quando cheguei a casa pesei-me e apareceu uns razoáveis 64 kg.
Acabei de subir à balança e vi 61 kg.
Estou bastante satisfeita com estes 10 kg perdidos em menos de 1 semana :)
A minha filha além de linda é um diurético fantástico. Suga-me até ao tutano, sendo capaz de estar 2 horas à maminha ou então ir lá de hora em hora.
É cansativo, é esgotante, tenho os mamilos gretados mas ela está a ser alimentada com o melhor que lhe posso dar e eu estou a ir ao lugar a um ritmo bastante satisfatório :)

Dia D - Parte II

4h da manhã em casa. Deito-me e tento dormir... vou para o sofá da sala e tento dormir... começo a aperceber-me  que as contracções estão de 5 em 5 minutos.
Visto-me e com as lágrimas nos olhos de tantas dores vou chamar B.
Voltámos para o hospital. Contracção à saída de casa, respiro fundo, contracção à entrada do hospital, respiro fundo. Consegui fazer o caminho em 5 minutos.
Sou observada. Dilatação na mesma apesar das contracções. Decidem internar-me...
Vou para o quarto sozinha com B. Estou deitada a tentar fazer todas as respirações aprendidas mas a vontade de dar um grito ou outro é bastante tentador.
Fiquei nisto toda a manhã e toda a tarde. Sem poder beber, sem poder comer, sem levar epidural por ter uma dilatação quase nula...
O dia avizinhava-se mais longo do que a noite que tinha passado. Tentei dormitar entre as contracções, tentei caminhar...
Como B. tinha ido trabalhar a minha mãe faz-me uma surpresa e vai ter comigo. Ela estava tão nervosa que fiquei na dúvida se seria eu ou ela a dar à luz naquele dia...
Conversámos, com paragens de 5 em 5 minutos. A dilatação no final da tarde chegou aos quase 3 cm e eis que: "Santa Epidural entra pela sala dentro e acho que atrás dela veio Nossa Senhora, S. José, o menino Jesus e os 3 reis magos. Pensei que se tinham aberto as portas do céu..."
Lembro-me como se fosse hoje - eram 7 horas da tarde e nada foi o mesmo!


Música que tão bem enquadra o momento que senti a epidural fazer aquilo que é suposto fazer.

A escolha está feita

Já comprámos o nosso intercomunicador, oferta do tio H.
Estou radiante e quero agradecer à querida Me que me influenciou na escolha e que não podia ter sido mais acertada.
É um descanso poder ver e ouvir a nossa princesa quando estamos na cozinha, sala ou a estender roupa.
Ainda hoje apanhei alguém cá em casa a estender roupa com o intercomunicador pendurado ao pescoço. Eu tinha saído para trocar o penso da minha cicatriz.
Recomenda-se vivamente a futuros papás!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

O meu anjo


P.S. Esta boca engana. Tenho fortes suspeitas que está cheia de dentes invisíveis tais são as dores quando mama como se não houvesse outra oportunidade de o fazer. Desconfio que ela tenha ouvido na barriga as notícias da crise. Encara cada refeição como um bem precioso que poderá não voltar a ter... Alegrias da amamentação? Ainda não as senti verdadeiramente. Mas sou persistente!

Uma música da tia SJ para a Alice


Que bom que sabe sentir o carinho de quem nos quer tão bem.

À SJ

que nos acompanhou passo a passo... Beijo nosso!
Já em casa...

O nosso agradecimento

Ontem de tarde abri a minha caixa de comentários e deliciei-me a ler todos os comentários deixados. Todos repletos de tanto carinho e felicitações pela chegada da minha (e um pedacinho vossa) Nisca, já com o seu nome, Alice!
Sim, sempre ficou Alice, mas apenas decidido já ela tinha dado o seu primeiro e longo choro, já toda a equipa médica ansiava por chamá-la por um nome e já o pai a tinha visto e deliciado-se com a visão.
O nosso agradecimento pelo apoio, por nos acompanharem dia após dia e por continuarem por aí.
Os dias variam entre mais difíceis e menos difíceis e as noites entre mais longas e menos longas.
Nada terá a tranquilidade de antes mas tudo será bem mais animado (e desesperante, por vezes).
Um beijo nosso cheio de boas energias para todos!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Dia D - Parte I

A noite de sexta para sábado tornou-se diferente de todas as noites. Pela primeira vez senti na pele a palavra "contracções" e pela primeira vez contei minutos para algo que se iria repetir vezes sem conta com intensidades que iriam aumentar...
Primeiro uma dor contínua tão semelhante às dores mensais do nosso TPM. Preparei um banho de imersão, fiquei deitada tentando relaxar. As dores iam e vinham num espaço de calmia de 10 minutos.
Fui ver televisão, mas às 3h da manhã virei-me para B. e disse: "Vamos ao hospital."
Levámos tudo o que era necessário e fomos.
Fiz CTG, acusava contracções mas apenas tinha 1 cm de dilatação e colo muito fechado. Disse a enfermeira que ainda levaria tempo.
Às 4h e pouco já estávamos de volta a casa.
Deitei-me pensando que apesar das contracções ainda tinha um longo caminho de espera, de contagem e de respirações...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

E veio ao mundo uma linda princesa de seu nome ALICE...

ÀS 00.40 minutos do dia 8 de Janeiro de 2012 veio ao mundo uma linda princesinha de seu nome Alice. Se veio do País das Maravilhas eu não sei mas que transformou o meu na maior das maravilhas, isso é mais que certo.
Com 50 cms e 4250 gramas de peso fez a sua mãe penar um pedacinho e fez com que o tão ansiado parto natural se transformasse em cesariana à última da hora. A desilusão do desfecho seria amplamente compensado pela doçura que vinha a caminho.
Foram muitas horas a preparar o momento final, com uma entrada no hospital às 7h30 da manhã com contracções de 10 em 10 minutos para uma saída do bloco de partos já no dia seguinte com o bem mais precioso do mundo nos meus braços.
Estamos agora as duas no hospital. Somos bem tratadas, acarinhadas e recebemos mil mensagens de amor e felicitações.
Saímos, em princípio, na 4ªFeira depois de almoço, cada uma quase pelos seus próprios pés :)
Um beijo de coração a todos que aqui passam e nos desejam tantas coisas boas.
Voltaremos em breve com pormenores, fotografias, risos e choros.
Nosso coração transborda...

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Sinto que está perto...

Pela primeira vez meti o saco dentro do carro e pensei que pudesse ser hoje o grande dia. Pela primeira vez achei que a minha menina estava a chegar.
Pelas 11h da manhã os sinais apontavam para uma possível entrada de trabalho de parto. Mantive-me calma e apenas disse a B.: "Acho que temos que ir para o hospital."
Liguei para a enfermeira (uma enfermeira doce e já reformada que deu-me aulas no curso). Ela tranquilizou-me ainda mais. Mandou-me descansar, almoçar, ir às compras se fosse preciso e depois ir ter com ela às 15h30 para ser observada. Qualquer alteração e podia voltar a ligar-lhe.
Às 15h30, já com saco no carro, dores mas suportáveis, entrei no carro e descobri que me tinham batido na porta do lado do condutor, amolgando-a. Sorte a minha!!! Depois tive que dizer: "Ao menos não colocaram a porta dentro!" Aquele carro anda com mau olhado.
A enfermeira analisou os batimentos cardíacos do bebé. Tudo normal, ela bem disposta e de saúde. Fez-me um toque (já vou no 3º) e apesar de não ter começado a dilatação, tenho apagamento do útero a 50%. A cabeça da minha princesa começou a descer... Está a tentar fazer caminho numa anca estreita o que torna tudo uma incógnita.
Voltei para casa. Pode ser hoje, pode ser amanhã ou depois...
As dores são constantes mas sem contracções fortes. Tudo bastante tolerável.
Estou bastante confiante e relaxada em todo o processo. Não sei se manterei esta postura até ao final mas já não é mau não entrar desde já em ansiedade.
O saco já está no hall de entrada. É só pegar no carro e tentar conduzir até ao hospital que fica a cerca de 5 minutos de minha casa. Só preciso ir antes que as contracções sejam inferiores aos 5 minutos de distância :)

Anne Hathaway

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Intercomunicador

Recebemos uma oferta em dinheiro para comprarmos um intercomunicador.
Lanço alerta às mães que partilhem as suas experiências. Não sabemos qual a melhor marca ou modelo. Uma coisa decidimos, será apenas de som pois temos ouvido que os aparelhos que combinam som e imagem não são tão bons ao nível do som.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Ida ao médico

Fizeram-me o toque (mais uma vez sem dor. Começo a pensar que isso é um mito urbano), CTG e ecografia.
Colo do útero fechado, CGT com bons movimentos da minha filha, bom registo cardíaco e registo de 2 ou 3 contracções durante 1 hora. Nada significativo.
Na ecografia a confirmação que esta Nisca continua enorme, cada vez mais, registando 4400gr o que levou o médico a falar em cesariana. Se há coisa pela qual não queria passar era mesmo por uma cesariana. Mas nada é garantido. Mesmo ela sendo uma bebé enorme pode ser um parto normal.
Muito líquido amniótico e ela com muito espaço para se mexer. Não é à toa que a minha barriga é a maior das redondezas.
A indução ficou marcada para a próxima quarta-feira, 11 de Janeiro, dando entrada no hospital às 8h30. Estou a contar que esta pequena se farte antes... antes que continue a crescer à velocidade que tem feito.
Estou também a fazer figas que esta estimativa esteja muito acima do que será na realidade.

Jessica Brown-Findlay

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Ginástica

A professora de ginástica ligou-me com a certeza de que a minha princesa já tinha nascido. Como ainda não aconteceu disse-me que podia aparecer e fazer mais uma aula.
Das 17h às 18h lá fui eu suar e sentir todos os músculos deste corpo roliço. Nem saindo de lá toda partida esta rapariga farta-se de aqui estar :)
A professora disse que estou óptima, com cara de quem aguentava mais um mês de gravidez, se fosse possível, e que talvez, por isso, a minha princesa se recuse a nascer já. Realmente ainda me sinto óptima e apesar do peso cheia de energia e de coisas para ir fazendo. Na verdade, desde o sétimo mês que a balança não se mexe e permaneço nos 70kg (mais 14kg no total).
As dores chegam pela noite e desaparecem pela manhã... vamos ver se amanhã tenho novidades com a minha ida ao médico.

Imagem do artista Bruno Nunes

Termohigrometro

Na minha primeira visita à KAP, uma loja para bebés e crianças, encontrei um aparelho que mede a temperatura e humidade de uma divisão, neste caso, do quarto onde estará o bebé.
Como não tenho a noção da temperatura, achando que poderá estar muito frio para ele ou então quente demais e porque o preço era convidativo comprei este aparelho.
Já o tenho ligado no meu quarto que achava que costumava estar frio para o futuro bebé e que teria de usar aquecedor nos primeiros tempos.
Afinal, costuma estar nos 21º/22º o ideal para qualquer recém-nascido (falamos em temperatura ambiente), mesmo para a hora do banho.

Quase 15€.

40 semanas

E a minha princesa não está nem para aí virada... não sei se é a teimosia a revelar-se, se a preguiça, se a primazia pelo bem-estar...
Amanhã vou ao médico...

Michelle Dockery

3ª Escolha do Meo Card

Estas escolhas têm sido: "Venha o diabo e escolha!"


2ª Escolha do Meo Card




O que você faria quando a sua esposa não sabe a diferença entre um psiquiatra e uma loja, o seu filho de 8 anos pode ter problemas psicológicos e seu padrinho gay está à beira da morte no hospital? E quando o seu chefe quer convencê-lo a fazer um esquema que lhe poderá custar a carreira, o seu pai espera mais de você do que você pode dar e o exemplo de amor da sua madrasta é a sua ligação com os seus cães? E se os segredos de uma prostituta, revelados ao seu assistente social, pudessem ser usados contra você? Todas as famílias têm os seus segredos. Estes são os dilemas de Marcus Aylesbury.
Realizado por MARTHA FIENNES e com um elenco de super-estrelas, CHROMOFOBIA é um drama recheado de humor negro, ambientado na Londres contemporânea, onde o dinheiro, a beleza e o sucesso substituíram os valores tradicionais, como a honestidade e a amizade.


domingo, 1 de janeiro de 2012

Entrada em 2012

Assim entrámos em 2012...