ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

quarta-feira, 8 de março de 2017

O stress dos pequenos-almoços

De manhã é que começa o dia, de manhã também é quando começa os stresses familiares.
À mesa do pequeno-almoço o apetite nunca é muito, ou melhor, não há apetite e o "despacha-te" e "come, Alice" devem ser as palavras que mais pronuncio antes de sair de casa.
Hoje não foi exceção! É quase um castigo para nós e para ela, dar-lhe o pequeno-almoço. Se for papa cerelac à boca, ainda vai quase tudo. Cereais sozinha, lá vai metade muito devagarinho. Pão, esqueçam, é quase nada!
Hoje, como nos outros dias, dizia-lhe algo do género: "Tens que comer, se não ficas muito fraquinha e não consegues aprender. Também podes ficar doente porque não tens forças para combater as doenças." Isto dito de uma forma acelerada, meia zangada, meia cansada, e ainda não eram 8h30 da manhã.
Ela, ainda com o pedaço de pão na mão e já nós saindo porta fora, dizia-me, na maior calma do mundo e clareza nas palavras: "Oh, mãe, eu sou assim! Às vezes tenho fome, outras vezes não tenho fome!"
E pergunto-me: "Vou respeitar o seu ritmo biológico de pouco apetite matinal? Vai para a escola sem comer? Mando-lhe alguma coisa para comer lá?"
O intervalo é feito das 10h30 às 11h, onde servem um pacote de leite a cada menino. Nunca mando lanche porque o almoço dela é das 12h às 13h, acho até que um pouco antes das 12h já a pré está toda sentada na cantina. Não quero diminuir o pouco apetite que leva sempre para o almoço. Não há dia em que coma tudo (segundo ela). Quando já houve reuniões de pais a queixarem-se que a dose é pequena, para a minha dá e sobra.
Quando a vou buscar às 15h está sempre, mas sempre cheia de fome. Às vezes até lhe dói a barriga.
Tal não serve de emenda, pois a experiência não lhe faz comer mais ao almoço.
Quem olhar para ela vê uma matulona de 20 kg, com 1,14m (acho) e o número 30 nos pés.
Está grande, forte, mas não é de comer muito... vitaminas, nunca a dei. Diz a pediatra que apenas se descesse de percentil ou perdas evidentes de peso.
Vamos fazendo o melhor que sabemos...


9 comentários:

Just me disse...

A alimentação e os filhos, tantas chatices dá às mães! Eu que o diga, começo a sentir agora no meu filho com quase 2 anos... antes comia tudo, mais ou menos, bem. Agora já se tornou mais esquisito e vai rejeitando. Haja paciência. Tantas teorias e nenhuma nos serve. Vou no instinto, se eles tiverem fome, pedem. Acho eu...

Carla Marques disse...

Tenho montes de stresses com isso da alimentação. A minha filha tem quase 3 anos e, de manhã, ainda lhe dou papas de aveia à boca para comer mais depressa.

Este ano, quando estava a tentar decidir se a colocava numa escola pública ou não, pesaram as ementas das escolas que continham tudo o que nunca comeu em casa... Ainda por cima estamos a fazer algumas refeições vegetarianas todas as semanas. Mandar-lhe marmita todos os dias não é fazível. Preciso de simplificar a minha vida e não de a complicar. :D

Mas, em casa, quando pede bolacha Maria para o jantar, acaba por ir para a cama sem comer...

Kaipiroska disse...

Não te preocupes. Se está com saúde e no peso certo ótimo, é porque está bem!
O Diogo leva o dia inteiro a comer. Está sempre a pedir se pode "comer uma coisinha" e isto nem duas horas depois de ter almoçado ou jantado. Durante a semana, lancha sempre duas vezes, no colégio e quando o vamos buscar. À noite, quase sempre pede "um leitinho quentinho e 2 bolachas". Mas se há refeição que é um martírio para ele comer é o pequeno-almoço. As palavras que dizes são as mesma que eu levo a dizer das 8h às 8h30, até sairmos de casa. Acorda sempre com pouca fome, mas dali a umas duas horas já está a pedir "uma coisinha" :)
Por isso, percebo-te. Acordam com pouco apetite e ele lá vai surgindo ao longo do dia consoante o metabolismo e organismo de cada um :)

MMP disse...

O meu mais velho come bem mas apenas o suficiente para se saciar!!!
Tem 8 anos, pesa 20 kg e deve ser mais alto que a sua :(
Só recentemente ganhou percentil no peso (25) chegou a não chegar a linha inferior.

Imagine o drama que foi amamentação em que ele engordava 200 g por semana (na locura)

É saúdavel, não é guloso, tem as viroses normais de criança, não acho que teve mais que os outros.

O que tenho fazer de manhã é que ele coma qq coisa, muito ou pouco nao interessa, apenas qq para não ir de estomago vazio.

Mando-lhe muita comida para o dia (que muitas vezes volta para casa) apenas para garantir que se ele tiver fome, tem o que comer.

Relaxar e relativazar é o meu conselho.

Já o mais novo, lá em casa é conhecido por limpa-fundos, ahhh

Beijinhos e paciência (MUITA) !!!


CS disse...

Nem vou falar no meu de 2 que ainda leva com a carne e o peixe na sopa 90% das vezes porque o segundo prato é quase nunca... sim, a pediatra diz que hoje em dia já não se passa fome. Obrigada pela partilha

CS disse...

Carla, vamos nós aprendendo com eles e eles connosco. Sim, mandar comida para a escola também está para mim fora de questão. Obrigada pela partilha

CS disse...

Boca santa a do Diogo ;) a minha para pedir bolachas e afins tem sempre fome mas evito para que coma melhor nas refeições. Contudo, se passa o dia em casa pede bolachas, tostas, uma fruta etc, no meio das refeições. Bj e obrigada pelo conselho

CS disse...

Dois filhos e tão diferentes ;) preocupamo-nos tanto com alimentação, sonos, birras... ser mãe é isto também - preocupar! Vou relativizar, prometo. Obrigada pela partilha

Brandie disse...

Lê o blog Mais ciência do dr souto e vais perceber o que deves fazer.