ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Dormir no meio de nós

O esforço que faço para não pegar na minha princesa e levá-la toda embrulhada para a nossa cama é grande. Sei que a vontade que tenho de a ter connosco nas noites em que está mais agitada pode ter consequências diferentes das que desejo.
Eu desejo que durma no meio de nós quando o berço parece não sossegá-la.
Eu desejo que ela depois perceba que é apenas naquelas noites e não em todas as noites.
Eu desejo que ela perceba qual a sua cama e qual a cama dos pais.
Eu desejo que ela consiga identificar as excepções à regra.

Mas, no fundo, os meus desejos são irreais. Como pode uma bebé de 1 ano perceber que uma noite pode dormir com os pais mas na noite seguinte já não pode? E não pode porquê? Ela não mudou, não mudaram os pais, a cama é a mesma, o que se passa então?
Como eu acredito que eles não sabem distinguir as excepções das regras, mantenho-a no seu quarto, mesmo que fique sentada ao lado do berço toda a noite (sozinha não a consigo deixar se está inquieta ou a chorar), mesmo que me levante 20 vezes numa noite, mesmo que o cansaço seja grande.
Como sempre fui assim desde que ela foi para o seu quarto aos 10 meses, ela sabe bem que aquele é o seu quarto, aquela é a sua cama.

Hoje acordou às 5h20, bebeu leite e não queria voltar para o berço. Dormia desde as 20h. Tive que ficar a seu lado, dar-lhe a mão. Ela virou, revirou. Levantou-se várias vezes. Deitei-a outras tantas. Quando saí do quarto já eram 7h15 e fui directa tomar duche.
Se tive vontade de a levar ao colo para a minha cama e dormir mais duas horas? Tive.
Se noutras coisas deixo-me vencer de coração amolecido, na hora da cama e no dormir no seu quarto, mantenho-me firme (até à data e sem promessas futuras).

Kate Winslet
 

3 comentários:

Jardim de Algodão Doce disse...

Minha querida, sem culpas levo o meu pequeno para a minha cama, quando já não aguento estar com ele ao colo numa cadeira durante a noite. Sem culpas, faço-o. Sei que há dias e fases.E tudo passa! Com o segundo somos tão mais benevolentes...:) Beijinhos.

CS disse...

A minha vai-se aguentando se ficar de mãos dadas com ela até adormecer.
Talvez um segundo relativize muita coisa. Talvez um segundo nos dê mais sabedoria. Eu faço o que um nos vai ensinando mas vejo muitos filhos dormirem com os pais até depois dos 5 anos e pais a queixarem-se de dormir mal. Sei que cada caso é um caso mas sinto que o faço bem (neste aspecto).
Bj
Obrigada pelos comentários, experientes de uma mãe que já teve mais do que um ;)

Kaipiroska disse...

Gostei do "(até à data e sem promessas futuras)" :) és demais.