ALICE

Lilypie Kids Birthday tickers

quinta-feira, 10 de maio de 2018

O meu armário montanha versus o armário cápsula

Tenho lido algumas coisas sobre o armário cápsula. Gosto de ver, fascina-me o lado prático, versátil e clean mas, para mim, seria immmposssívelll. 30 peças por estação ou pouco mais, não consigo. Talvez, pensando friamente, sejam apenas 30 peças que rodam mais, que me ficam melhor ou que realmente valem a pena usar. Mas ver tão pouca roupa pendurada ia mexer com o meu sistema nervoso.
Eu tenho melhorado. Tenho uma prática de alguns anos que me esforço por manter e que me ajuda no desapego. Por cada peça nova comprada, eu desfaço-me, no mínimo de 1, vá, em algumas situações voaram 2.
Eu tenho a sorte de em todas as casas que vivi, depois de uma vida a 2, uma pequena divisão (não passava de uma dispensa com boas dimensões) era sempre preparada para eu colocar as minhas coisas: roupas, sapatos, bijuteria e afins. Mas nunca chegava, nunca... ocupava também roupeiros do quarto e caixas plásticas por baixo de toda a nossa cama.
Hoje em dia, na casa que comprámos, o escritório foi transformado no meu "closet". Mais espaço, mais arrumação mas ainda assim, caixas no sótão com roupa da estação ausente.
Não vou conseguir um armário cápsula mas tenho um objetivo de vida: ter todas as minhas roupas e tralhas em apenas esta divisão da casa, todas as estações penduradas ao mesmo tempo. Não vai ser fácil. O processo exige um desapego maior do que o que eu pratico. Apesar de todos os meses dar roupa a algumas amigas ou deixar em lojas solidárias aquilo que sei que elas não gostam, continuo a ter mais do que eu uso. (Quando levo roupa às lojas solidárias gosto sempre de ver o que por lá há e são raras a vezes que não trago de lá peças.)

Razões do apego:

1. Eu adoro roupa que era da minha mãe, roupa que vinha da América no barril, roupa antiga ou "vintage" ;) e, por isso, algumas peças, principalmente, gangas, vou guardando numa caixa para a Alice. Pode ser que ela seja como eu. Se não for, desfaço-me na altura;
2. Penso que este ano não gosto ou estou farta mas para o ano pode ser das minhas peças preferidas (raramente acontece mas o meu cérebro ainda não se convenceu);
3. Como não compro fora de saldos ou promoções (raras excepções, raríssimas) parece que tenho pouco para vestir ou que não poderei comprar nada para substituir o que me vou desfazer;
4. Penso que vou dar e arrepender-me em menos de 1 mês.

Contudo, outras tantas razões me levam a dar e a dar com muita satisfação:
1. Quando tenho a certeza que determinada amiga vai gostar e usar mais vezes do que eu uso;
2. Quando tenho uma amiga (e tenho) que não pode comprar com a mesma facilidade com que eu compro e que adora as minhas roupas;
3. Quando estou tão farta de uma peça que mesmo gira, já não a posso ver;
4. Quando penso que tenho tanto ruído visual no meu closet, demasiado...

Para derem uma ideia como preciso de praticar o desapego, ser mais seletiva nas roupas, ter menos e melhor, apresento-vos o meu "pequeno mundo" e a sua desorganização.







Dois varões de ponta a ponta da divisão com a roupa pendurada. O calçado de menos uso numa prateleira de ponta a ponta, o restante no chão. Duas estantes, uma maior que outra. Dois módulos com gavetas abertas com roupa de andar por casa, pijamas e casacos de malha que não possam ser pendurados. No sótão umas 5 caixas plásticas (mais nada). No nosso quarto não ocupo nenhuma gaveta ou roupeiro.

Volta e meia entro e fico a olhar para as roupas e o resto. Penso em como me livrar de parte. Separo umas peças, esta semana foram 13. Sem ter comprado nada :) Depois nem se nota a diferença mas já fico contente quando encontro amigas com roupas que eram minhas.


8 comentários:

Titica Deia disse...

AHAHAH entendido!!!

Beijinhos
https://titicadeia.blogspot.pt/

Cristina Cunha disse...

Acho que o principal problema é estares a focar-te no número de peças que, normalmente, compõem um armário cápsula. ( Eu sempre tive um, ainda que durante muito tempo sem saber, no entanto não te sei dizer o número de peças que o compõem!)
Realmente tens muitas peças, no entanto se quiseres familiarizar-te com o conceito podes começar por experimentar criar um armário cápsula para uma semana ou mês e ires testando a tua criatividade e a própria versatilidade de cada peça que escolheste. É uma boa forma de perceberes se o conceito e as próprias peças de roupa funcionam para o teu estilo de vida e estilo pessoal. ;)
Se gostares da experiência é continuar. Com a prática atinges a perfeição.
Se não gostares da experiência é voltar ao modelo antigo e pelo caminho continuas a editar o teu guarda-roupa de forma a um dia estar como pretendes. ;)
Beijinho
Cris

www.lima-limao.pt

Carla Marques disse...

Eu sou completamente o oposto. :) Se o meu roupeiro não é cápsula é algo lá perto.
Toda a minha roupa cabe em 1/3 do roupeiro do meu quarto (só tenho uma estação de cada vez, o que ajuda). A cor predominante é o preto e é raro encontrar outra cor (estou a esforçar-me para mudar isto).
Passo meses e meses sem comprar uma única peça de roupa e de vez em quando desfaço-me de algumas coisas, geralmente coisas já impossíveis de usar.

Para mim seria uma confusão imensa ter tantas opções de roupa. Não saberia o que vestir.
Quando olho para o roupeiro vejo logo o que vestir, já que as opções são muito poucas. :P

Para as miúdas é diferente porque tenho muita roupa dada e emprestada e elas acabam por ter muito mais roupa do que eu mas para a próxima estação vou por muito menos peças a uso. Para mim, torna-se muito mais prático.

Mas adoro roupa e sapatos. Gosto de os ver como uma peça bonita, não propriamente de os comprar.

Confesso que até me custa ir ao centro comercial em época de saldos, prefiro aproveitar os saldos de lojas online ou mandar vir as peças para as lojas e depois ir lá buscar. :P

Acho que sou uma rapariga um bocado estranha. :P

Sonia Barreto disse...

Eu já fui assim...Hoje MORRIS se tivesse isto tudo. Desde que o Tiago nasceu, é que mudamos duas vezes de casa, que dei quase tudo. Posso dizer.te que a minha roupa (mudo nas estações) cabe toda num roupeiro de um metro de largura. E quando olho para lá fico com a sensação que tenho mais que aquilo que uso. A minha irmã é igualzin ha a ti.

Beijinhos

ML disse...

Eu sou um bocadinho como tu. Mas ando a tentar contrariar!

VerdezOlhos disse...

Como já disse, também estou a tentar diminuir o que tenho para vestir porque sinto que me facilitará a vida e sentir-me-ei mais "leve" e satisfeita. Mas não é fácil, estou solidária para contigo.
Apesar de teres uma grande vantagem em relação a mim: tens a quem dar. As minhas roupas também só são compradas em saldos e muitas em 2ª mão e por isso nem todas posso dar mas estão em bom estado então tento distribuir pelas lojas solidárias ou contentores de instituições com esses fins mas sei que daria muito mais e com imenso gosto se tivesse alguém que gostasse de receber (eu adoro quando me dão roupa, só duas pessoas na minha vida me passam roupas e eu adoro)!
Não é nada que não se consiga fazer. Aos poucos chegamos lá. Afinal tudo assim só de uma vez não é, na minha opinião, saudável. O meu tem sido uma construção, um caminho gradual. E acho que é o que faz sentido.

Se interessar, deixo a minha partilha: https://entraesentate.blogspot.pt/2018/05/detox-do-roupeiro.html

Biejinhos e obrigada pela partilha, adorei ler-te!

CS disse...

Sim, tenho a quem dar e isso é muito bom.
Já li o que escreveste. É mesmo um caminho. É preciso muita vontade e foco no objetivo ;)
Vou partilhando a minha evolução.
bjs

VerdezOlhos disse...

ADOREI a dica da amiga :) vou tentar aplica-la :D