ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

terça-feira, 5 de abril de 2016

Ter um segundo filho

 
 
Nem sempre tive a certeza que queria ser mãe. Nunca foi um sonho de vida, uma aspiração como tantas mulheres têm. Era feliz, era muito feliz... No entanto, uma coisa tinha a certeza, a certeza de um arrependimento avassalador quando chegasse aos 60/70 anos (se chegasse) sozinha... (entenda-se este sozinha sem filhos).
A vontade da pessoa que estava comigo ser pai era muita e talvez isso tenha sido determinante para embarcar na aventura. Sim, vamos, vamos ser pais! E nesse momento, nessa decisão de ter um filho vinha logo outra por acréscimo: não pode ser filho único! Esta era a minha crença! Não me via como mãe de um só filho, não via o meu filho como filho único. E nem quando saí da maternidade com a barriga cheia de agrafos, ainda atordoada de morfina e com um bebé nos braços, deixei de ter essa vontade de ter mais filhos. Queria mais, mais um!
Sabendo das noites, dos dias, dos valores, da logística, do cansaço, dos gritos e choros, do nosso desespero momentâneo, queria mais, mais um!
E mais porquê?! Sim, já era mãe! Já tinha uma filha! Já sabia o que era realmente um amor incondicional e avassalador que nos deixa sem respiração!
Queria mais porque precisava descentrar-me da minha filha, precisava dividir-me com outro filho para que o amor multiplicasse, precisava tirar-lhe atenção de cima para que outras atenções caíssem sobre ela, precisava de um outro filho para não esperar tudo desta filha, para não lhe pedir tudo, precisava relativizar a maternidade, precisava de mais gritos em casa, mais vozes de crianças, precisava de lhe dar uma companhia sempre que não pudesse estar com ela, precisava de lhe dar um amigo de sangue, precisava de me dar outra parte de mim fora de mim.
Sim, eram muitas as razões para ter outro filho mas também existiam tantas razões para não ter mais: conseguir dormir a noite toda, conseguir dedicar-me mais à carreira profissional, conseguir ter mais tempo de casal, conseguir fazermos mais viagens a 3, conseguir libertar a casa de apetrechos de bebés (ocupam tanto mas tanto espaço), gastar menos dinheiro ou gastar o mesmo mas não mais.
E sim, sabia que talvez não desse o mesmo ao segundo que dei ao primeiro, o tempo seria menor, a atenção menor, a paciência menor e o cansaço bem maior. Sabia que teria de tirar a Alice da natação temporariamente por questões de gravidez final e logística, sabia que ela talvez tivesse menos brinquedos no futuro, sabia que nos chocaríamos mais uns contra os outros, sabia que a minha memória ficaria mais reduzida com noites mal dormidas, sabia que o segundo filho não teria um colo exclusivo, tempo exclusivo como o primeiro teve.
Mas isso nunca me fez confusão, nunca pensei duas vezes que a Alice teria menos roupa ou brinquedos porque chegaria mais um filho, nunca me culpabilizei porque a teria de tirar de uma ou outra atividade porque teria um irmão.
E essa culpa não existia nem nunca chegou a existir porque algo estrondoso permiti que acontecesse. Um outro filho para mim e para o pai e um irmão para a Alice. O futuro é incerto, a relação que eles irão construir é desconhecida, a família que estamos a construir transforma-se no dia-a-dia... mas... o amor, o amor que se vive não duplicou com um novo filho, aumenta ao quadrado para cada um de nós. Estamos mais cansados, talvez mais irritados em certos momentos, dormimos bem menos mas alguém, alguém que podia nunca ter aparecido chegou e arrasou-nos por completo de amor, tanto mas tanto amor!
Se houver por aí alguém que tenha dúvidas se será possível amar tanto um outro filho quando já se ama infinitamente um? Sim... sim, é possível e o amor por ambos cresce e nós crescemos com ele.
Todos ganham nas perdas que possam existir (de tempo, paciência, atenção ou bens materiais) porque ganha sempre o que é realmente importante - o amor!

 
"António, vieste ensinar-nos que quando se tem mais de um filho o amor cresce no peito e aumenta por cada um deles. À tua irmã ensinarás que o amor entre irmãos é algo único e impagável."
 
 

9 comentários:

Sonia Barreto disse...

Com que idade colocaste os teus meninos nos seus quartos? O pediatra disse para o colocarmos agora com seis meses...mas ele ainda acorda de noite tantas vezes...quarta feira já vou voltar para o trabalho tenho que descansar...o que faço?

CS disse...

Olá Sónia, a minha experiência aqui http://omeuchaverde.blogspot.pt/2016/03/bye-book.html
Não te sintas pressionada. Muda quando te sentires preparada. Pode ser aos 6 como pode ser apenas aos 12, 18 meses, ou mais. Não há tabelas para isso, a tabela é a família.
Deixa andar, descansa, dorme, deixa-o junto de ti se é assim que melhor dormes.
Bj

raquel disse...

<3 <3 <3
ai que precisava taaaaanto de ler este texto!
Tanto, tanto...
(só para confirmar em ti aquilo que penso! e é uma decisão tãoooo difícil de tomar!)

Anauel disse...

Também eu sempre soube que não queria ter só um filho. Mas quando fiquei grávida do 2ª cheguei a ter umas crises de choro porque tinha receio de não amar o 2º como amava a 1ª (hormonas é o que é:-)), mas no fundo já sabia que ia amar os dois com a mesma intensidade.
Ás vezes também penso que a minha filha teve 3 anos de dedicação exclusiva dos pais e agora o meu filho não.
Mas depois vejo-o a rir-se à gargalhada com as brincadeiras da irmã, vejo os mimos entre eles, ouço-o chamar "nana" e penso que afinal ele é um sortudo por ter a companhia, o amor e a diversão que a mana lhe proporciona.

Moa disse...

Era mesmo isto que eu precisava de ler :) sim, é possível amar outro filho da mesma forma, só a tenho há 10 dias mas já posso afirmar que sim, o amor multiplica-se!

CS disse...

Cara Raquel, às vezes não podemos racionalizar demais. Se formos pela cabeça é mais difícil decidir ter filhos. Deixa o coração falar. Tudo se resolve, diz-me tantas vezes a minha mãe.

CS disse...

Anauel, há lá coisa melhor que vê-los a brincar?! Quando não andam aos arrufos :)
Felicidades

CS disse...

Moa, toda a felicidade do mundo. Os primeiros meses são os mais complicados, se estivermos sozinhas a gerir 2. Depois começa tudo a entrar no carrilho. Disfruta. O segundo cresce ao dobro da velocidade do primeiro :)

ML disse...

CS o que eu gostei de te ler. Obrigada! Obrigada!! :)))