ALICE

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Second Birthday tickers

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Os colégios, as creches e jardins de infância

Talvez eu passe a imagem que sou contra estes estabelecimentos de ensino, que não deveriam existir e que todas as crianças devessem ficar fechadas em casa com os pais, avós ou amas.
Nada poderia estar mais errado. Não tenho nada contra estas instituições. Na verdade, nunca recorri a nenhuma para os meus filhos mas em criança tive 1 ano num colégio. Diz a minha mãe que eu tinha 2 anos e tal e que chorei nos primeiros dias. Não tenho qualquer recordação de escola antes da escola primária. Não é trauma é apenas porque o meu cérebro não consegue recuar tão longe.
Quando cresci e me tornei adolescente, trabalhei em vários verões numa creche onde trabalhava e ainda trabalha a minha madrinha. Adorava! Adorava mesmo! Tanto que quando concorri para a universidade pensava em ser professora primária. Não se concretizou e enveredei por uma carreira profissional totalmente distinta.
Tenho familiares e amigas que trabalham em creches, começando pela minha madrinha, como disse, acabando na minha querida cunhada que entrou este ano para um colégio como educadora.
Mais uma vez digo, eu não tenho nada contra estes estabelecimentos.
Agora, se me perguntarem: preferes que os teus filhos estejam em casa com o pai ou que vão para a creche? Prefiro que seja o pai, mal seria se preferisse uma estranha (por melhor que fosse) que o próprio pai. Que, no meu caso, é um pai excelente porque se não tivesse paciência ou tempo para dar aos filhos, então estariam na creche e eu andaria feliz.

Isto para comentar um comentário que só hoje li porque caiu no spam. Comentário feito ao post do Peso Pesado teen e que julgo que tenha sido por causa da frase abaixo. Mas no mesmo texto falo também dos avós e padrinhos e não julgo que eles sejam má influência para as crianças, tal como as creches.
Agora, reafirmo, que nas creches e escolas a alimentação é diferente de casa. Sei de muitas que servem sumos a partir de 1 ano e pouco, doces, bolos e aperitivos. Gomas em festas etc. São más por isso? Simplesmente disse que é difícil controlar a alimentação lá. É bem conhecido o recheio do bar de uma escola secundária. Falava nisso e porque é verdade e não porque fui esquecida na creche em criança (talvez tenha sido mas não me lembro nem nunca ninguém me contou tal história).

É difícil controlar o que as escolas e as creches dão às crianças. É difícil controlar os sacos de gomas nas festas de aniversários como prémios. É difícil fazer entender aos avós, tios e padrinhos que os doces não devem ser ofertas e prémios de bom comportamento para quem come a sopa toda.



Para o ano, se a minha filha entrar, então posso falar mal ou bem da experiência que ela tiver. De momento, só falo dos benefícios que tem em estar em casa e daquilo que acho que ganha em não frequentar uma creche. Das mais importantes é, sem dúvida, das doenças que não apanha. Tivemos os 2 constipados (falo só em tosse e constipação) e sei bem as noites que todos tivemos. Dispenso porque posso. Se não pudesse lá ia ela como todos os outros que vão e eu colocaria atestados como muitas amigas põem sempre que os filhos ficam doentes e sofreria como elas sofrem sempre que os filhos apanham mais um vírus qualquer. E nem vale a pena virem com o argumento de que criam imunidades pois vejo-os a apanharem sempre as mesmas coisas terminadas em ites e doenças de pés, mãos e bocas mais do que uma vez.
Ela pode vir a apanhar tudo mas quanto mais tarde melhor, minha opinião. Sem trauma de ter apanhado muitas doenças em criança.

P.S. Será que quem defende as creches afincadamente foi esquecido em casa pelos pais? Se calhar é isso, apenas um trauma infantil que nada tem a ver com os benefícios de uma creche.

9 comentários:

sandra disse...

A minha filha entrou este ano para a creche só faz 4 anos para o mês que vem, tinha de ser pois ela estava na avó e avó já necessitava de descanso mas o mais importante é que ela precisa de conviver com crianças ,de brincar pois muitas das vezes á noite estava eu a brincar com ela já exausta porque a menina necessitava de ter alguém com quem brincar e na avó não era possível mas concordo que não existe melhor sitio para ficar do que com a mãe ,pai ou avó. Mas tudo tem o tempo certo.

Anauel disse...

A minha filha esteve até aos três anos em casa, com a sua (fada) madrinha porque coincidiu ela estar desempregada, mas aos três foi para o jardim de infância. E, sim o primeiro ano foi terrível no que respeita a estar doente (ainda que nada de grave) mas para nós que nunca a tínhamos visto doente (salvo umas constipações ligeiras) foi muito custoso. No entanto sou da opinião que aos 4 é melhor para ela estar lá e ela gosta bastante. O meu filho não teve tanta sorte, mas mesmo assim encontrámos forma de ele ficar com uma pessoa de inteira confiança ao invés de ir para o jardim de infância.
Para mim a partir dos três anos é a altura ideal para eles irem. O pediatra deles defende que antes disso só mesmo quem não conseguir, pois ele também é da opinião que antes disso é só mesmo para estarem doentes e que a partir dos três anos o sistema imunitário deles já está mais fortalecido para entrarem em contacto com todos os "bichos" que por lá andam.
Mas como disse esta é a minha opinião e acho que cada pai/mãe deve fazer o que achar melhor.

Anónimo disse...

Penso que esta problemática depende da creche/JI.

No caso do meu Mário António o contacto com as ites foi muito frequente, principalmente quando frequentou os 3 anos. Agora que mudei para uma privada noto que ele já não fica tanto tempo doente. Nota-se que os pais são mais conscienciosos, pois, ao mínimo sinal de doença, conservam os filhos nas suas próprias casas ou então com os avós.
Em relação às guloseimas, também notei uma grande melhoria quando transitou para o privado. No entanto, os meus sobrinhos estão numa escola pública considerada de alto nível e amiga da alimentação saudável!

Anónimo disse...

Nao vale a pena escrever longos textos para justificar ou se explicar....

O mais importante é que a criança brinque todos os dias com amigos ou vizinhos .... TODOS OS DIAS e durante algumas horas.
Em casa só com o irmao mais novo é delicioso, mas nâo vao fazer nada por ela neste processo de crescimento e aprendizagem.
As escola ou jardins de infancia vai prepara-la para o mundo " lá fora" e que será um capital para a sua vida toda. Sim, muitos auxiliares e vigilantes de escola que deveriam ter formacöes constantes, porque nem sempre respeitam o ritmo de cada menino, mas como as educadoras têm boa formaçāo, vale a pena entregar as suas criança a a essas mestras.
O mais importante é criar atividades para estimular determinadas capacidades e que aprenda a partilhar e escutar os outros da mesma idade ou mais velhos, sem ser do ambiente familiar.
A redoma da casa nāo é o mundo real e até aos 7 anos, absorbem tudo . Têm que deixar o ninho, durante o dia e só voltar depois de muitas aventuras de descoberta e aorendizagem com os meninos da mesma idade.
Todos os pais procuram o melhor para os seus, e fazem como o melhor. Muitos acertam e muitos nem tanto.

Anónimo disse...

Eu cá já resolvi a coisa...

Combinámos entre 5 amigas contratar um professor (não faltam por aí alguns desempregados) e trazemos a escola para as nossas casas. Dividida a despesa, é menor do que um privado!!!! E ficam no conforto das suas casas. Semanalmente, mudamos de instalações! Há melhor????

Eu sei! Somos umas felizardas!

Anónimo disse...

Tenho uma filha de 4 anos e meio e ainda está comigo...e n vai para a escola tão cedo ehehhe
anda no ballet e modéstia à parte é a miuda mais traquinas, mais alegre e participativa q está lá..as outras meninas sao todas de creche e são robotizadas e olham para a minha filha como se ela fosse um alien de tanto q ela pula e ri à gargalhada.. lol...
sou completamente contra a filhos metidos na escola todo o dia e creches só deveriam aceitar a pais ambos empregados e lhes exigir os horários..
já me basta a minha filha de 7 anos metida na escola 5 horas e já, já vou buscá-la para almoçar ;)
e já agora a minha filha de 7 anos tb n fez creches nem nada q se pareça..só ballet...e é só a melhor aluna do 2º ano da escola dela..por isso essa conversa da treta do desenvolvimento ser feito na escola é só mesmo conversa para quem nao sabe nem cuida dos seus filhos, infelizmente há mtas mães q passam os dias no facebook e q ligam zero aos filhos.

Anónimo disse...

Oh por favor! Eu não sou de comentar estas coisas, mas há comentários muito estranhos realmente.

Eu também acho que não há melhor sitio para os bebés e crianças estarem do que a casa dos pais e dos avós! Mas também tenho a noção que os estímulos numa creche/escola são diferentes, sempre serão. A minha filha ficou em casa até aos 3 anos por opção e após isso foi para a escola porque achei que era o melhor para ela: estar com outras crianças, fazer coisas diferentes, aprender a socializar e a partilhar com pessoas "estranhas". Cada um faz o que quer com os seus filhos, mas dizerem que os pais que acham que é melhor o desenvolvimento na escola são os pais que não sabem nem cuidam dos filhos e que passam o dia no facebook??? Por favor! por isso é que sou contra qualquer tipo de fundamentalista. Eu vou ao facebook...e a minha filha está na escola, sou pior mãe por causa disso? Obvio que não! Quando chegamos a casa o tempo é só nosso...até ela ir dormir...
Seguindo a lógica do caro anónimo não devia estar no blog a comentar coisas porque está a ligar zero à sua filha que está em casa....Não se julga as pessoas...cada um faz o que quer...e o que acha melhor para si e para os seus filhos.

Anónimo disse...

Crianças que estâo sempre em casa, viram bichinhos do buraco. Depois quando saiem parecem bichos selvagens.

Anónimo disse...

Cada um faz o que podem pelos filhos, até gostam de gastar dinheiro com psicologos daqui a uns anos, porque criaram as crianças como bébés até aos 3 anos.